O Culto às Deidades Egípcias

Cosmogonia Egípcia

A cosmogonia é o estudo da criação, cada egrégora entende a criação do mundo de uma forma diferente e particular, a cultura egípcia ao contrário do que muitos pensam é uma religião monoteísta, da qual se acredita em uma deidade primitiva criadora de todas as coisas, para esta deidade se dá o nome de Atum, ele era visto com um ser do sexo masculino usando uma coroa de faraó. Também existem representações usando duas coroas, uma representando o baixo Egito e a outra o alto Egito.

Atum é considerada a energia primordial condensada antes do que chamamos de BigBang na ciência, a explosão que trouxe movimento a tudo, este movimento se chama Ptah. A partir daí é preciso que este movimento seja ordenado para que tudo se encaixe perfeitamente, esta harmonia do universo que traz ordem e direcionamento se chama Ma’at ou Maat.

Não irei entrar neste momento na cosmogonia completa, pois não é este o intuito deste post, porém sabendo que há uma energia criadora e que a partir dela tudo foi manifestado podemos avançar um pouco mais…

A Natureza

A natureza é a forma mais simples e próxima da harmonia do divino, os animais são guiados pelo instinto e cada um com sua individualidade faz com que ele seja único e extremamente necessário para a manutenção do planeta, ao contrário do que somos levados a pensar não somos seres superiores a tudo que existe neste planeta, o fato de termos livre arbítrio e sermos considerados racionais não nos faz donos de tudo que existe ao nosso redor e nem merecedor de conquistar a tudo e a todos, esta é uma mentalidade humana e limitada.

Hoje em dia vivemos em um mundo globalizado e não somos mais tão afetados pelas mudanças de estação e por todos os eventos sazonais que ocorrem para quem vive no campo, ou principalmente para quem viveu a pelo menos 4 mil de anos atrás. Quando somos diretamente afetados pela natureza começamos a ter mais respeito por ela e por isto a maioria das civilizações antigas se conectavam tanto às forças da natureza e para elas se davam nomes (pois o ser humano consegue raciocinar melhor através de associações).

Vivendo um dia após o outro, a maioria das culturas antigas tinham orações para o Sol, pois acreditavam que se não o fizessem talvez ele pudesse não aparecer no dia seguinte. Mas qual é a importância do sol? Ele é a fonte da vida, que alimenta o império, faz o gado prosperar e torna as colheitas abundantes. Atualmente se a época do ano não favorece algum alimento normalmente não temos tanto impacto, pois a tecnologia e a velocidade no transporte faz com que sempre tenhamos acesso a quase tudo em nossos famosos supermercados.

Os Animais

Já sabemos que a maioria dos deuses egípcios são associados com animais, mas por que se fazia isto?

Em uma cultura onde a escrita não era corrida como a nossa e a dificuldade de se escrever nas paredes dos templos a simbologia ganha um peso maior, o estudo aprofundado de cada animal fez com que os egípcios pudessem entender diversos comportamentos que normalmente os Humanos também tem, para representar estas emoções ou comportamentos ao se representar uma deidade se colocava a cabeça ou o tronco de um animal. Lembrando que a mitologia foi criada para que os sacerdotes pudessem difundir a religião e conceitos para o povo como um todo e ao contrário do que imaginamos o povo comum não tinha acesso à leitura, magia, cultura ou estudo, por este motivo a mitologia precisava ser simbólica e de fácil entendimento por alguém que não tenha uma formação.

Como cultuar o Deus Criador?

Para se cultuar a Deus é preciso entender primeiro o que é Deus, Deus está tudo que existe, o Ar que respiramos, o Calor, os Animais, as Plantas, a Lua, o Sol, cada elemento da Natureza e cada ser vivo foi exteriorizado na criação. Tendo isto em mente podemos dizer que para se cultuar a Deus precisamos cultuar cada parte dele, pois não temos inteligência suficiente para entender sua perfeição por completo, novamente entramos no aspecto humano de dar nome às coisas, pois isso traz mais proximidade e familiaridade.

Por este motivo encontramos diversos deuses egípcios com nomes diferentes, porém todos eles associados a algum comportamento, estágio da vida, elemento ou ciclo da natureza, nos levando a entender que Deus tem muitos nomes e todos eles fazem parte do Divino, não importa como chamemos, mas para compreender o todo precisamos compreender cada parte, pois são estas partes que estão mais próximas de nós e podemos compreender melhor.

Que a luz se faça por onde este post passar!

Leave a Comment